Teorias de expectativa de Vroom e Teoria de equidade de J. Stacy Adams


Introdução

O presente trabalho aborda temas ligados ás teorias de expectativa de Vroom, e a teoria de equidade de J. Stacy Adams, onde teremos a oportunidade de perceber as diferentes concepções em relação a essas duas teorias motivacionais.

No que diz respeito a teoria de expectativa de Vroom, iremos ver os factores  que influenciam na motivação, a fórmula da motivação, assim como a maneira como as pessoas se motivam. Na teoria de equidade de J. Stacy Adams, de forma resumida iremos perceber o conceito da mesma teoria, a equidade e a definição de satisfação e insatisfação segundo Adams.

Objectivos

Geral

  • Compreender as ideias principais da teoria das expectativas de Vroom, assim como da equidade de J. Stacy Adams em relação a motivação nos individuos.

Especificos

  • Descrever as diferentes posições das duas teorias;
  • Explicar de forma resumida os aspectos ligados a motivação segundo as teorias em causa.

Metodologia

Para a boa elaboração este trabalho, o grupo recorreu ás consultas bibliograficas e a Internet.

TEORIA DAS EXPECTATIVAS DE VROOM

Apresentação da teoria das expectativas de Vroom

A teoria das expectitivas foi desenvolvida pelo psicólogo Victor Vroom, e esta teoria é segundo o autor, uma das muitas teorias que procuram explicar as motivações humanas. Ele refere que o processo da motivação deve ser explicado em função dos objectivos e das escolhas de cada pessoa e das suas expectativas, em atingir esses mesmos objectivos. De uma forma sintética, Vroom defende que a força da motivação (M) de determinada pessoa corresponde ao produto do valor previsto por si, atribuído a um objectivo (V = valência) pela probabilidade de alcançar esse mesmo objectivo (E = Expectativa): M=VxE

Diz-se que a motivação é nula sempre que o indivíduo prefere não atingir o objectivo, ou por outra, sempre que a valência for negativa. A teoria das expectativas de Vroom é mais realista que outras teorias que explicam as motivações, nomeadamente: as teorias das necessidades……. pelo que a teoria das expectativas de Vroom apresenta algumas características individuais e é muito compatível com os sistemas de gestão por objectivos. Ela não depende apenas do esforço que o indivíduo dispende no trabalho mas, também das competências/conhecimentos para a realização das tarefas e da percepção de tudo o que é necessário para a sua realização e de quais os resultados pretendidos.

Neste caso, tudo depende do grau de satisfacão do sugeito a qual, por sua vez, determina o valor que espera do que irá receber. Sendo que se ela (a pessoa) entender que a probabilidade ligada à alternativa “A”, por exemplo é muito baixa, ela irá fazer sua escolha entre “B” e “C”.  Podendo ela optar por não fazer nenhum esforço se ela achar que é impossível atingir o “C”.

Quer dizer que, se um determinado esforço for exercido por um indivíduo que disponibilize de meios e competências para atingir o sucesso, o resultado será um desempenho (Expectativa, esforço-desempenho). Por outro lado, há que ter em consideração a expectativa de que se um determinado esforço tiver sucesso será obtida uma recompensa (Expectativa, esforço, resultado).

Fórmula da Motivação

Valor X Instrumentalidade X Expectativa = Motivação

Estudar a motivacão é procurar entender quais são as razões ou motivos que influenciam o desempenho das pessoas, uma vez que este desempenho depende da motivação.

De acordo com Chiavenato (2003), motivos são forças conscientes ou inconscientes que levam a pessoa a determinados comportamentos.

A motivação constitui um processo que pressupõe escolhas entre o comportamento, sendo que o indivíduo tem noção das consequência de cada alternativa de acção como um conjunto de possíveis resultados decorrentes do seu comportamento.

Factores que influenciam na motivação:

  • Valor,
  • percepção e
  • Expectativa

Valor que a pessoa atribui ao resultado advindo de cada alternativa (que Vroom chamou de valência ou valor).

Percepção, de que a obtenção de cada resultado está ligada a uma compensação (que ele chama de instrumentalidade).

Expectativa, que ele tem o poder de obter cada resultado (referido como expectativa).

Pessoa motivada

Portanto, para que uma pessoa esteja motivada a fazer alguma coisa é preciso que ela, simultaneamente:

  1. Atribua valor a compensação advinda de fazer essa coisa;
  2. Acredite que fazendo essa coisa ela receba a compensação esperada;
  3. Acredite que tem condições de fazer essa coisa.

Em termos mais práticos, a teoria das expectativas, diz que um funcionário está motivado para exercer um alto nível de esforço quando souber que, ao criar esse esforço vai levar uma boa avaliação do seu desempenho, sendo que, uma boa avaliação levará a recompensas organizacionais, tais como,bónus, aumento salarial ou promoção; e as recompensas por sua vez, irão satisfazer objectivos pessoais do empregado. Portanto, esta teoria centra-se em três relações:

Relação esforço-desempenho: a probabilidade de que o indivíduo percebe que exercendo uma certa quantidade de esforço conduzirá ao desempenho.

Relação do desempenho-recompensa: o grau em que um indivíduo acredita que realizar em um determinado nível ele vai levar a alcançar um resultado desejado.

Relação recompensas-personal metas de relacionamentos: o grau em que as recompensas organizacionais satisfazem as metas ou necessidades pessoais de um indivíduo como atractivo são aqueles possíveis.

TEORIA DE EQUIDADE DE J. STACY ADAMS

Conceito de teoria da equidade

A teoria da equidade, geralmente atribuída a J. Stacy Adams, ­é uma das varias teorias sobre a motivação que coloca a ênfase na percepção pessoal do individuo sobre a razoabilidade ou justiça relativa na sua relação laboral com a organização. De facto, a teoria da equidade parte do princípio de que a motivação depende do equilíbrio entre o que a pessoa oferece a organização através do sistema produtivo(o seu desempenho) e aquilo que recebe através do sistema retributivo (a sua compensação).

Segundo os autores da teoria, as pessoas sentem se motivadas sempre que esperam receber da organização (seja em forma monetária, reconhecimento publico, promoção, transferências, ou outras) uma compensação justa pelos seus esforços em favor da organização. A justiça desta compensação é avaliada pelas pessoa através da comparação entre o que recebem outras pessoas cujos contributos são semelhantes.

No caso da compensação ser injusta (inferior a compensação atribuída a outras pessoas), as pessoas sentem se insatisfeitas e tendem a reduzir as suas contribuições ou, se estas injustiças se repetirem, pode mesmo sair da organização. Quando a compensação é justa (equilibrada com a de outras pessoas), as suas contribuições continuam idênticas. Sempre que a compensação esta acima da recebida pelas outras pessoas, verifica se a tendência para um maior esforço.

A percepção da iniquidade pode verificar se em numerosas situações, entre as quais a definição de funções, as promoções, as transferências, os elogios públicos, obviamente nos salários e outras compensações monetárias. É fundamental que os gestores não esqueçam que por vezes uma iniquidade sem importância no seu ponto de vista, pode representar uma grande injustiça para aqueles que por ela são directamente afectados.

Segundo Stephen P. Robbins )2000), os funcionários fazem comparações entre o seu trabalho, os seus esforços a sua experiência, a sua competência com os resultados obtidos, tais como, a remuneração, aumento, reconhecimento e os relaciona com a situação de outros funcionários.

Em outras palavras, as pessoas não estão apenas preocupadas com o valor absoluto do que ganham, mas com o valor relativo aos grupos a que pertencem e aos que não pertencem directamente. De acordo com esta teoria, quando o trabalhador percebe uma injustiça, espera se que ele tome uma das seis atitudes a seguirː

  1. Modificar suas entradas
  2. Modificar seus resultados
  3. Distorcer sua autoimagem
  4. Distorcer a imagem dos outros
  5. Buscar outro ponto de referência
  6. Abandonar o emprego.

Equidade

A equidade consiste em adaptar a regra a uma situação específica visando os critérios de direito e igualdade, seria de poder julgar as pessoas de acordo com o que elas são, por exemplo, para um infractor esteja dirigindo embriagado este será preso na prática, os pobres (sem poder aquisitivo) estiverem dirigindo bebados são presos. Por esta razão Sócrates defendia que a equidade na Grécia tinha pouca prática devido a corrupção judiciária.

A Grécia foi a pioneira a respeito da equidade com Platão e Aristóteles, as feministas é um exemplo de equidade, pois, está ligada com os direitos de igualdade entre os sexos.

  1. Stacy Adams dizː ˝na teoria de equidade, a motivação, o desempenho e a satisfação de um funcionário depende da avaliação subjectiva que ele faz das relações entre sua própria razão de esforço, recompensa e a razão de esforço, recompensa dos outros em situações parecidas.

Definição de satisfação e insatisfação segundo Adams

Satisfação- é a compensação que as empresas oferecem em comparação com os outros membros iguais equivalentes ao ponto de vista de funcionários, por exemplo, se um membro da equipe desempenha certa função é este e recompensado (podendo ser monetário, ou não) de forma igual ou equivalente, seu nível de satisfação será considerado justo, com isto este será a favor da corporação o que dará ao funcionário mais motivação e desempenho dentro da empresa que trará benefícios para a corporação, porém, a negativa desta é aː

Insatisfação resulta em desestímulo do mesmo ocasionando desapontamento e podendo ocasionar uma diminuição da produtividade ou até mesmo o desligamento do funcionário.

Podemos concluir que a equidade depende do ponto de vista de cada pessoa que é recompensada, como cada pessoa temum mundo de vida, a recompensa que se dá a uma pessoa e agrada-lhe, a recíproca não necessariamente seria verdadeira, pois, as questõeséticas e sociais podem ter influência no julgamento da equidade.

Conclusão

Feito o trabalho de pesquisa, podemos perceber que a equidade depende do ponto de vista de cada pessoa que é recompensada, a maneira como cada pessoa tem um modo de vida, assim como a recompensa que-se dá a uma pessoa e agrada-lhe. Esta teoria fala muito mais de aspectos organizacionais e afirma que a motivação ou desmotivação do individuo depende muito mais da compensação justa pelos seus esforços em favor da organização.

No que diz respeito a teoria das expectativas de Vroom, esta não depende apenas do esforço que o individuo despende no seu trabalho, mas sim das competências ou conhecimentos para a realização das tarefas e da percepção de tudo o que e necessário para a sua realização.

Bibliografia

CAMPOS D.M.Sousa, Psicologia de Aprendizagem, Introdução a Psicologia Educacional, 3ediçao

http://www.Know.net/cienceconempr/gestao/troriaexpectativasvroom.htm

http://www.webartigos.com/artigos/teoria-das-expectativas-de-vroom

http//www.scribd.com/doc/86460733/teoriada-da-equidade

(Visited 104 times, 1 visits today)

Author: O Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *