ROGERS E A ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA

Rogers é um humanista, acredita na capacidade natural de auto-realização do indivíduo.

Opõe-se à ideia da pessoa como ser irracional, dominado pelas pulsões e com dificuldades de autocontrolo. Para ele, a pessoa tenta racionalmente organizar a sua vida para atingir os objectos pretendidos.

 

A personalidade é positiva, racional e realista. A pessoa é autónoma e capaz de se desenvolver, se afirmar, se auto-dirigir e desfruta de um potencial de crescimento pessoal e de uma orientação positiva.

 

A teoria da personalidade rogeriana baseia-se numa racionalidade centrada na pessoa e no seu potencial de crescimento, na sua capacidade de auto-realização. A pessoa tem competências que lhe permitem conhecer-se, aceitar-se e transformar-se. Assim, vai resolver problemas, avaliar-se a si própria e às situações e orientar racionalmente a sua vida. A pessoa deve atingir o “sentimento positivo de satisfação consigo mesma”. Tem, pois, uma capacidade de auto-regulação.

 

Os problemas da personalidade são, em grande parte, incongruências entre a auto-imagem, o auto-conceito e a realidade. A pessoa deve saber integrar a experiência no conhecimento de si própria, evoluindo com confiança, realizando-se. A abordagem centrada na pessoa deve facilitar o processo de mudança do sujeito criando as condições psicológicas através da relação interpessoal, de autenticidade, aceitação e empatia.

 

 Um clima “facilitador do crescimento” deve ter estas três condições:

 

  1. Autenticidade à é uma atitude de abertura ao outro, com expressão dos sentimentos. Ser-se autêntico é ser-se com transparência. A autenticidade implica a necessidade de se ser congruente entre o comportamento, os pensamentos e as emoções.

 

  1. Aceitação à é uma atitude de “consideração positiva incondicional”, que se baseia numa atitude de atenção, de procura de compreensão sem crítica nem julgamento. A pessoa precisa de ter confiança em si e de se sentir aceite pelos outros.

 

  1. Empatia à é uma atitude afectiva e compreensiva de comunicação interpessoal. Procura-se a compreensão da pessoa e do seu mundo interior, como ele próprio o entende. A compreensão por empatia exige que sejamos capazes de nos descentrarmos para entendermos o outro do seu ponto de vista.
(Visited 3 times, 1 visits today)

Author: O Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *