Porquê deve ter Explicação para as aulas de Matemática – Como os Chineses e Moçambicanos dão as aulas de matemática?

Porquê deve ter Explicação para as aulas de Matemática – Como os Chineses e Moçambicanos dão as aulas de matemática?

Aqui no nosso site, nos sentimos bem quando falamos de aulas de Matemática.

Se é que prestou atenção, na aula de matemática anterior vimos a Resolução do Exame de Admissão de Matemática UP 2015→ Passo a Passo (1 a 4). Confira!
Gostaria de contar-lhe algo neste artigo. Sabe á muito bom ter um explicador de matemática se as aulas não estão a correr muito bem. Se sente-se confuso naquilo que você está aprendendo, melhor tomar uma decisão. Talvez não seja seu caso particular, mas o seu filho ou irmão que não tem tido um bom desempenho.

Lançamos um convite para procurar um Explicador no nosso Grupo de Facebook.

Porquê deve ter Explicação para as aulas de Matemática – Como os Chineses e Moçambicanos dão as aulas de matemática

Imagem: Marco Klapper, em CC by 2.0

Estudantes chineses começam a aprender os factos de matemática em uma idade muito precoce: os livros didácticos de matemática começam com a multiplicação no primeiro semestre de segunda classe, quando as crianças tiverem sete anos de idade. A fim de compreender a multiplicação, os alunos têm de memorizar a rima da multiplicação: “quatro vezes oito é 32, cinco vezes oito é 40” e assim por diante, que foi inventado pelos antigos estudiosos chineses 2200 anos atrás.

Decorrente desta tradição, a maioria das salas de aula, tem alguns materiais de ensino concretos para aulas de matemática. Nas tradições culturais dos chineses, a educação de matemática leva as pessoas a acreditar que a prática de rotina é a forma mais eficiente de aprender.

Esta continua até hoje. E, como resultado, alunos nas escolas de Xangai tem se marcado muito em testes internacionais de habilidade matemática. É esta aptidão para a matemática entre alunos chineses que levou o governo britânico a anunciar alguns planos para levar quase uma centena de professores a partir de Xangai para ajudar a ensinar em centros de excelência.

Carga horária: 15 Horas por semana

O currículo chinês em matemática é um programa de nove anos dividido em quatro etapas matemáticas, correndo desde o ensino primário ao 9º grau, quando uma criança é de 14 anos de idade. O currículo estabelece quatro períodos de ensino por semana para matemática em escolas primárias. No entanto, a maioria das escolas organiza mais de cinco períodos por semana.

Por causa do currículo e ensino da China estar padronizado, professores e pais na China têm grandes expectativas para seus alunos desde o início. Existe um alto grau de envolvimento dos pais e os mesmos priorizam a educação de seus filhos, especialmente em matemática.
Um período típico de ensino em escolas primárias é de aproximadamente 40 minutos, que se estende para 45 minutos na escola secundária. Os professores muitas vezes têm se fixado em menos de meia hora de lição de casa todos os dias por alunos da escola primária e mais para alunos do ensino secundário. Por isso é normal para os alunos chineses, especialmente estudantes do ensino secundário, gastar mais de 15 horas por semana em matemática, tanto dentro como fora da sala de aula.

O que é feito para a compreensão de Matemática

Um novo currículo de matemática obrigatório foi introduzido em 2001 e revisto em 2011, estabelecendo normas para “número e álgebra”, “espaço e gráfico”, “estatística e probabilidade” e “prática e aplicações”.

Porquê deve ter Explicação para as aulas de Matemática – Como os Chineses e Moçambicanos dão as aulas de matemática (2)

Imagem: Lucy Kitsunè Mj, em CC by 2.0

O objectivo da educação matemática na China é desenvolver o conhecimento conceitual e processual através da prática rígida. Em comparação com o currículo de matemática de Moçambique que é menos focado e consistente. China usa instruções para toda a turma, envolvendo todos os alunos no material e levando feedback. Isso é diferente para o ensino modelo de matemática em Moçambique, que é mais focado em grupos.

Estudantes chineses são ensinados a entender as relações numéricas, desenvolver e provar as suas soluções para os problemas na frente de toda a classe. Isto significa que os alunos compreendem os conceitos inteiros de matemática, permitindo-lhes aplicar o conhecimento anterior para ajudá-los a aprender novos tópicos.

Quando um professor chinês introduz um novo tópico, tende a usar diferentes tipos de exemplos que variam em dificuldade.

Na aula, os professores de matemática também enfatizam o raciocínio lógico, o que leva os alunos a colocar perguntas como “porquê?”, “como?” e “e se?”.

Professores de matemática chineses também enfatizam o uso da linguagem matemática precisa e elegante.

Tempo dos professores

Quase todos os professores chineses ensinam um único assunto, em vez de vários assuntos. A maioria deles ensina apenas duas aulas por dia nas escolas primárias e secundárias. Mas em comparação com os seus homólogos de Moçambique, a maioria dos professores de matemática chineses têm de lidar com turmas maiores sem esgotar a sua capacidade.
Professores de matemática chineses geralmente gastam uma quantidade considerável de tempo a cada dia escrevendo planos de aula detalhados, ou corrigir a lição de casa e marcação de provas. Eles também têm acesso uma vez por semana para grupos de pesquisa local, onde professores podem obter sugestões de bons planos de aula.

Comparado com os seus homólogos de Moçambique, os professores de matemática chineses não são muito bons em integrar conceitos em todo o currículo. Mesmo que os alunos passam 15 horas por semana na aprendizagem de matemática, os professores muitas vezes se queixam de que eles não têm tempo na sua agenda de ensino. Eles têm de lidar frequentemente com testes de nível de grau a cada duas ou três semanas e testes de nível escolar.

Alguns bons professores de matemática, especialmente aqueles que vêm de escolas de qualidade, encorajam os alunos a aprender sobre a interacção de matemática com a vida diária. Eles também atendem plenamente às necessidades individuais dos alunos. Eles frequentemente usam participação activa para verificar se há entendimento individual durante uma aula, e integrar métodos e projectos de vida real no ensino da matemática.

No entanto, a maioria dos alunos em áreas rurais têm poucas chances de acesso a este ensino de alta qualidade. Muitos professores chineses que enfrentam a pressão de um sistema de educação orientada para o exame, não vêem uma razão para fazer actividades que conectam matemática para a vida real. É mais fácil simplesmente dar aos alunos as informações necessárias e ensinar-lhes o processo.

Mas se já estás num passo bem avançado e seu interesse é admitir na UEM e UP então comece por ler Preparação para Exames de Admissão da UEM e UP, Como se preparar?

Bem, espero que tenha gostado do artigo, comente!

(Visited 347 times, 1 visits today)
O Exame

Deixe uma resposta