Lugar da psicologia nas ciências do comportamento humano

Muitas ciências e disciplinas estudam o comportamento humano. Antropólogos, historiadores, sociólogos, economistas, cientistas, políticos, etc. Deste modo, a psicologia é uma das ciências do comportamento. Cada uma debruça-se sobre certos aspectos do comportamento humano – o sociólogo sobre o comportamento do homem em sociedade e em grupo; o antropólogo, sobre as raças e culturas primitivas; o economista, sobre o comportamento relacionado com a produção e consumo de bens.

O psicólogo preocupa-se fundamentalmente com o estudo do indivíduo. Isto não quer dizer que os psicólogos nunca estudem as pessoas em grupos, ou que estejam desinteressados pelos comportamentos políticos e sociais. Quer antes dizer que, para o psicólogo, o indivíduo é a unidade de estudo, quer ele esteja isolado ou em grupo.

Para o sociólogo o grupo ou a instituição constitui a unidade; para o antropólogo a cultura primitiva. Não são rivais nem competidoras, mas estão todas empenhadas em descobrir o mistério do homem, cada uma à luz do seu próprio interesse e especial ponto de vista.

 

Psicologia aplicada

 

Uma das maneiras de conhecer o campo de estudo da psicologia é através das áreas de actuação do psicólogo. Sem pretendermos esgotar todos os ramos da psicologia indicamos alguns ramos:

Psicologia experimental – historicamente, é o ramo da psicologia mais antigo, tendo-se iniciado com o estudo experimental dos processos sensoriais, estendendo-se depois para outras áreas, como percepção, atenção, motivação, memória, pensamento e emoção. Este ramo realiza suas pesquisas sobre os princípios psicológicos básicos para o aprofundamento da própria ciência e não para resolver problemas práticos imediatos. Muitas das suas pesquisas realizadas com animais por causa das vantagens que oferecem:

  • Os animais são menos complexos do que os seres humanos, o que torna mais fácil a observação de certos padrões de comportamento.
  • Há maior facilidade de se controlar experimentalmente as condições fisiológicas e ambientais em animais. Por ex., no estudo sobre o desenvolvimento perceptual, chimpanzés foram criados em um ambiente de completa escuridão, para investigar os efeitos da falta de estimulação no comportamento posterior.
  • O ciclo vital de alguns animais é menor que o do ser humano, o que permite ao psicólogo investigar diferentes gerações sucessivas.
  • O processo de maturação é mais rápido nos animais que nos seres humanos, o que torna os primeiros mais convenientes para certos estudos de desenvolvimento, como por ex., o efeito da estimulação na infância no comportamento adulto ou o efeito da tensão nos primeiros meses de vida no comportamento emocional adulto.
  • Os animais podem ser usados como sujeito para o estudo de problemas que têm relevância directa para o comportamento humano mas que não podem ser investigados no homem por razões éticas. Por ex., os animais podem ser submetidos a certas intervenções cirúrgicas que não poderiam ser realizadas com seres humanos, como implantar eléctrodo no cérebro de animais para se verificar a influência de diferentes partes do cérebro no comportamento.

Psicologia clínica – interessa-se pela aplicação de princípios psicológicos no diagnóstico, prevenção e tratamento de problemas emocionais e comportamentais. A sua actuação, às vezes é confundida com a psiquiatria uma vez que também actua no diagnóstico e tratamento de doenças mentais.

Psicologia educacional – dedica-se ao estudo de problemas psicológicos relacionados com a educação – os problemas de aprendizagem, motivação e ajustamento escolar. Na área de aprendizagem, a atenção do psicólogo é desenvolvida no sentido de inovações educacionais e de elaboração de testes e medidas de rendimento escolar. Dedica-se também à elaboração de procedimentos a serem usados com alunos que apresentam atraso mental, problemas emocionais ou dificuldades em áreas específicas como leitura ou escrita.

Psicologia social – estuda a influência dos grupos sociais no comportamento do indivíduo, as mudanças de atitudes, preconceitos, liderança, dinâmica de grupos, delinquência e opinião pública.

Psicologia industrial – dedica-se à selecção e treinamento de pessoal, análise de funções e técnicas para aumentar a eficiência de funcionários das empresas, bem como análise e tratamento das tensões intra e intergrupais, na avaliação da produtividade individual e grupal e no levantamento de soluções para os problemas de supervisão e relações humanas que possam surgir na empresa. Também se dedica à avaliação de atitudes de consumidores para os produtos específicos, sugerir novos produtos que teriam demanda no mercado e elaborar propaganda para incentivar a venda dos mesmos.

(Visited 4 times, 1 visits today)

Author: O Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *