História dos Testes Psicológicos

   

2200 a.C.

Os chineses começam a usar testes/exames no serviço público civil

 

 

1862

Wilhelm Wundt usa um pêndulo calibrado para medir a “velocidade do pensamento”

 

 

1884

Francis Galton aplica a primeira bateria de teste mental para milhares de pessoa na Exposição Internacional de Saúde

 

 

1890

James McKeen Cattel usa o termo “teste mental” para anunciar a agenda de sua Bateria de Testes Galtonianos

 

 

1901

Clark Wissler descobre que os testes/instrumentos criados por Cattell não tinham qualquer correlação com as séries escolares

 

 

1904

Charles Spearman propõe que a inteligência consiste de um simples fator geral “g” e de numerosos fatores específicos (s)

 

 

1905

Binet e Simon inventam o primeiro teste moderno de inteligência

 

 

1914

Stern introduz o termo QI ou quociente de inteligência: a idade mental dividida pela idade cronológica

 

 

1916

Lewis Terman faz a revisão da Escala de Binet-Simon e publica a Escala Stanford-Binet. Novas revisões aparecem em 1937, 1960 e 1986

 

 

1917

Robert Yerkes desenvolve os Testes Army Alpha e Beta usados para testar e avaliar os recrutas norte-americanos durante a primeira Grande Guerra Mundial

 

 

1917

Robert Woodworth desenvolve o primeiro teste de personalidade (Personal Data Sheet).

 

 

1921

Publicado o Teste de Rorschach para avaliação da personalidade

 

 

1921

A “Psychological Corporation”, a primeira editora para publicação de testes psicológicos, foi fundada por Cattell, Thorndike e Woodworth

 

 

1927

Publicada a primeira edição do Teste Vocacional de Interesses (Strong Vocational Interest Blank)

 

 

1935

Morgan e Murray publicam, na Universidade de Harvard, o Teste de Apercepção Temática

 

 

1938

L.L.Thurstone propõe que a inteligência consiste de aproximadamente sete grupos de fatores conhecidos como habilidades mentais primárias

 

 

1938

Raven publica o Teste das Matrices Progressivas, um teste de inteligência não-verbal suposto medir o Fator “g”, concebido por Spearman

 

 

1939

Publicada a Escala de Weschler-Bellevue de Inteligência (WAIS). A Escala revisada foi publicada em 1955 (WAIS), 1981 (WAIS-R) e 1997 (WAIS-III)

 

 

1942

Publicado o Inventário Multifásico de Personalidade (MMPI)

 

 

1949

Publicada a Escala Wechsler de Inteligência Infantil (WISC). Novas revisões foram publicadas em 1974 (WISC-R), 1989, 1991 e 1997 (WISC-III)

 

 

1951

Lee Cronbach introduz o coeficiente Alpha como um índice de fidedignidade (consistência interna) para testes e escalas

 

 

1963

Raymond Cattell propõe a Teoria da Inteligência Fluída e Cristalizada

 

 

1969

Arthur Jensen propõe, na revista Harvard Educational Review, a hipótese genética das diferenças em QI entre brancos e afro-americanos

 

 

1985

A Associação Americana de Psicologia (APA), juntamente com outras sociedades profissionais e científicas de psicologia, publicam o influente “Standards for Educational and Psychological Testing

 

 

1994

Herrnstein e Murray reativam o debate entre raça e hereditariedade do QI com a publicação do famoso livro “The Bell Curve”

 

 

1996

O relatório da Força Tarefa constituída pela American Psychological Association (APA) é publicado na revista American Psychologist em função do debate e das discussões levantadas a partir da publicação do livro The Bell Curve sobre o significado dos testes e a natureza da inteligência.

 

 

1997

Robert Sternberg organiza um número especial da revista American Psychologist, dedicado à inteligência e aprendizagem por toda a vida

 

 

2001

Stephen Petrill e Ian Deary organizam um número especial da revistaIntelligence, dedicado à análise da correlação entre tempo de inspeção e diferenças na inteligência psicométrica

 

 

{#emotions_dlg.meeting}Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-863X2002000200013&script=sci_arttext

(Visited 2 times, 1 visits today)

Author: O Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *