DESENVOLVIMENTO MORAL (ANÁLISE COMPARATIVA DOS VÁRIOS TEÓRICOS)

Kohlberg

Piaget

Kholberg desenvolveu os estádios do raciocínio moral que os subdividiu em 6 níveis, que são:

Estádio da moralidade pré – convencional (níveis 1 e 2) que evita a condenação ou punição. Em contrapartida obtém recompensas, procurando fazer para agradar;

Estádio da moralidade convencional (níveis 3 e 4) que obtém a aprovação e evita a censura dos outros. É definido por códigos rígidos de “lei e ordem”;

Estádio da moralidade pós – convencional (níveis 5 e 6) que é definida por um contrato social aprovado por todos para o bem público. Baseia – se em princípios éticos abstractos que determinam o código moral pessoal.

 

 

 

 

 

O desenvolvimento cognitivo resulta da interacção entre as estruturas mentais e os eventos do ambiente, apresentando-se como uma sequência de estágios hierárquicos e invariantes.

Utilizando-se de uma metodologia de pesquisa sobre as regras do jogo de criança levam-no propor um modelo de desenvolvimento moral que vai da Anomia (crianças até os 4/5 anos de idade), onde as regras nãos são compreendidas, passa para Heteronomia (crianças de 4/5 aos 9/10 anos), onde indivíduo está subordinado as regras do jogo, pois entende que elas são imutáveis. Nesta fase a regras advêm de pessoas mais velhas, a autoridade é outra pessoas ou sistemas de regras que não muda e finalmente a Autonomia Moral (Indivíduo de 9/10 anos em diante), mais afecta aos adultos, é produto mais refinado da socialização, dentro da qual, por meio da vontade, o indivíduo estabelece fins prioritários a longo prazo, ou seja, constrói o projecto de vida. Pode-se falar na formação da personalidade, no sentido, a partir do momento em que o indivíduo elabora um projecto de vida, quando ele encarna um ideal. A personalidade autónoma é o produto mais refinado da socialização porque é somente em uma relação de respeito mútuo entre personalidades autónomas que é possível, simultaneamente, a diversidade e a igualdade. O progresso de Heteronomia para Autonomia não é automática, passa pelo desenvolvimento cognitivo.

 

Eiserberg

 

Investiga a moralidade em funções de acções pro-sociais como comportamentos de ajuda.

A forma e o conteúdo de actos e pensamentos de compartilhar e ajudar aparecem e se modificam no decorrer da vida, em função da presença e da interacção de factores do desenvolvimento humano tais como idade, características de personalidade, motivações, habilidades e condições situacionais.

 

Skinner

 

Skinner critica o conceito de desenvolvimento como evolução direccionada à perfeição de espécies, indivíduos e culturas. Os estágios de desenvolvimento de crianças, de indivíduos e de culturas dependem das contingências de reforço e que não tem sentido argumentar que o amadurecimento do indivíduo seja algo desejável em toda sua extensão.

Com o valor de sobrevivência das culturas, Skinner (1978) adopta definitivamente o ponto de vista moral. Defende um equilíbrio entre os bens pessoais (interesses privados) e os bens dos outros (interesse público).

Ele comenta que, quando as agências de controle desequilibram além de limites suportáveis e a seu favor a relação entre os bens pessoais obtidos pelo indivíduo e os bens que elas recebem, o indivíduo busca refúgio em reforçadores imediatos e torna-se amoral, vazio, incapaz de sentir prazer, desamparado, excluído, descrente e sem ideais para defender, descambando para um individualismo tão condenável quanto o sistema explorador que o conduziu a essa condição.

Freud

 

Segundo Freud na teoria psicanalítica clássica, portanto, o comportamento humano é instigado amplamente pela auto-gratificação. As pulsões e a culpa são os principais determinantes do pensamento e do comportamento, incluindo-se aí a consciência social, o senso de justiça e as acções morais.

Tem-se um conjunto de impulsos que devem ser continuamente controlados e subordinados. Portanto, o papel fundamental na tradição é dado à natureza. A criança deve vir a ser capaz de controlar e auto-reprimir os sentimentos eróticos e hostis.

(Visited 3 times, 1 visits today)

Author: O Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *